De Fadas, Feiticeiras, Ciganas é o sangue que me nutre...

De Fadas, Feiticeiras, Ciganas é o sangue que me nutre...

quinta-feira, 2 de dezembro de 2010

O Natal Cigano


É dezembro! Um mês mágico, de festas, confraternizações e principalmente de reflexões.
E para começar dezembro, vamos conhecer um pouco do Natal dentro da comunidade Cigana.
É considerada uma das festas mais importantes, cujas comemorações, se assemelham aos casamentos, e podem chegar a prolongar-se entre 3 a 5 dias.
No Natal, os ciganos "põem a mesa" no chão, sobre uma toalha branca, como manda a sua tradição.
A celebração se apresenta em etapas:

Dia 23 - Dia dos pestins
Neste dia as mulheres preparam as massas com que farão os pestins, os homens esmurraçam a massa para ficar bem amassada. É de salientar que a preparação do pestins é feita por mulher casada com a ajuda dos filhos e do marido.

Dia 24 - Consoada e Dia do Cigano
Dia da consoada, véspera de Natal e também considerado dia do cigano. É um dia mais restrito na tradição cigana, neste dia não se olha com bons olhos quando chegada a noite e algum elemento da família já não está em casa, mas antes na rua ou a caminho. Outra proibição refere-se aos indivíduos de etnia não-cigana que em circunstancia alguma (salvo casamentos) podem se deter na porta onde é feita a comemoração, quanto mais entrar. Também evitam-se os tratos com não-ciganos. Este dia, o do cigano, deve ser dedicado aos ciganos suas atividades.
Nesta noite estende-se um lençol no chão e sobre este é montada a mesa: travessas de feijão do natal ( receita diferente da sopa "tradicional" que se faz ao longo do ano), bacalhau e os pestins. Não se serve carne. É à mesa que se faz então a bênção pela reunião e pela refeição e se fazem os votos para o novo ano. Há também a competição dos comeres: quem fez o melhor feijão? E os melhores Pestins?
Canta-se as musicas do natal, cada família com a sua tradição e continua-se a festejar e a conviver até ao final da noite.

Dia 25 - Dia da cabidela, Dia de Natal
Neste dia acaba-se o jejum de carnes e serve-se a cabidela (embora numa receita algo variada em relação à comum). Chegar vivo a este dia é uma bênção e uma premonição muito positiva, principalmente se houver alguma criança no seio familiar (felizmente há sempre).
A mesa farta é um dos requisitos da época, pelo que a confecção dos diferentes pratos aprisionam as mulheres durante horas na cozinha.
No dia de Natal, as mesas enchem-se com cabrito assado e batata assada, carne guizada com batata cozida, grão cozido com massa, saladas de fruta e pudins.
Iguarias destinadas não só aos convidados, como também a todos os que quiserem participar. É costume os ciganos andarem de casa em casa, um bocado em cada mesa, a pedirem a benção ao cigano mais velho.

Dia 26 - Ra(s)pa
Finalmente o dia do Raspa, não se faz comer, apenas acaba-se com os que restou do dia anterior, raspa-se o tacho. Desta forma lembra-se a privações e a necessidade. Também é o que simboliza mais a atitude do cigano de não desperdiçar negligentemente. A vida dura obriga-nos a isso. O luxo e o conforto devem vir depois do trabalho árduo e do alimento. Isto porque para os ciganos primeiro vem a barriga e só depois os gostos.

Complementando o post, com a colaboração de "Giteles", esta tradição é tipica dos calons, (em breve falarei com mais detalhes sobre isso), isto é, os ciganos portugueses e espanhóis essencialmente, embora haja calons em outras partes da terra.
Giteles, obrigada pela colaboração.
Em todos os dias canta-se e dança-se como forma de comemorar as bênçãos recebidas nesse ano, é assim como uma recepção ao embaixador do novo ano.
Tratando-se de um povo tão alegre, a música e a dança são coisas que nunca podem faltar nestes festejos.
O Natal Cigano é vivido de forma intensa. Uma festividade dedicada à família e a Deus.
Share |

8 comentários:

  1. Nossa Andrea, adorei este post!!
    Permite que eu indique o post lá no blog??
    Até fiquei triste quando acabei de ler, quero saber mais sobre as tradições ciganas ao fim de ano!

    ResponderExcluir
  2. Faltou dizer que esta tradição é tipica dos calons, isto é, os ciganos portugueses e espanhois essencialmente ;-)
    embora haja calons noutras partes da terra ^^

    PS - Obrigado por mencionar a fonte e pela referencia eheh

    ResponderExcluir
  3. lindo mas triste
    gostei muito cheguei até aqui vinda dali
    kis :=)

    ResponderExcluir
  4. Amigaaaaaaaaaaaaaaaaaaa, mas que linda esta árvore, gamei demais!!!
    pode publicar minha árvore sim, ficarei MUITO FELIZ!!!
    To sumida por causa do trabalho, viu?
    te adoro muitão
    Beijossssssssssss e boa semana pra ti
    Vero

    ResponderExcluir
  5. Andréa, jura que sua professora é a Mônica??
    Que lindo!!
    Adoraria que um dia dançacemos juntas!*))

    Amo a dança. Sou uma mulher completa por conta disso!

    Um beijo.

    ResponderExcluir
  6. Claro combinado!Dançamos juntas um dia!

    Confesso que o Maeva foi um decepção para mim*(
    Lá vi o quanto as dançarinas profissionais competem e analisam cada expressão umas das outras, triste isso.
    Minha outra professora é casada com um dos músicos do Tony, fui lá um dia para apreciar uma apresentação dela.
    O Show é legal, mas é uma disputa de beleza, de técnica que eu odiei...hahahahah, não gosto destas coisas!

    ResponderExcluir
  7. Adorei ! Gosto muito de saber de outras culturas e costumes, especialmente desse povo com tantas magias e mistérios que nos envolvem e muito nos ensinam...Paarabéns !

    ResponderExcluir
  8. Li o que Cora postou, sobre disputa de belezas e expressões das dançarinas. Na dança cigana, mesmo havendo coreografia(no caso de apresentação de escolas) sempre se menciona o fato de não haver disputa, em nossa escola a mestra sempre diz :se tiver dúvida olhe a colega, e uma colabora com a outra, quanto as vestimentas, ás vezes usamos roupas iguais, Cigano não se importa que a amiga use roupa como a sua, além disse uma sempre colabora com a arrumação da outra, ou maquiagem ou penteado, O mais bonito na dança cigana é aquele momento em que embora havendo coreografia, temos a liberdade de dançar com a alma o coração. Aí então nos miramos e sorrimos muito. é um pequeno espaço na dança em que nossos acentrais vigoram em nossos corações.

    ResponderExcluir

Obrigada pela visita! Flores de Lis... prá você!